Famílias Arco-íris?

quem são as famílias arco-íris? Testemunhos e realidades.

o saber não ocupa lugar

estudos sobre parentalidades, nova investigação científica, posições oficiais de ordens profissionais, etc

Recursos

Dicas, ideias e conselhos para mães & pais, para aspirantes a mães & pais, e para outr@s educador@s

notícias

Novidades sobre a vida de famílias arco-íris, em Portugal e no mundo.

agenda

Atividades e encontros, dentro e fora de Portugal

Home » notícias

Tribunal Constitucional considera a proposta de referendo inconstitucional.

Submitted by on Wednesday, 19 February 2014No Comment

images (6)O Tribunal Constitucional considerou a proposta de referendo inconstitucional. O Tribunal Europeu de Direitos Humanos considerou obrigatório existir a coadoção em casais do mesmo sexo em países como Portugal.

A urgência em resolver a situação destas famílias e crianças é evidente – e depois desta manobra dilatória inédita, irresponsável e violenta para muitas crianças e famílias, é tempo de legislar sem mais demoras.

Leia aqui o acórdão.

Notícia TVI online com declarações da ILGA Portugal:

 

Coadoção: ILGA espera rápida aprovação da lei no parlamento

O chumbo «veio demonstrar que o objetivo era apenas o de atrasar o desfecho do processo»

A associação ILGA ¿ Intervenção Lésbica, Gay, Bissexual e Transgénero congratulou-se esta quarta-feira com o chumbo pelo Tribunal Constitucional (TC) da proposta de referendo sobre coadoção, e espera agora uma rápida aprovação da lei pelo parlamento.

O chumbo «veio demonstrar que o objetivo [da proposta de referendo] era apenas o de atrasar o desfecho do processo, que afeta crianças e famílias concretas», disse à agência Lusa o presidente da associação, Paulo Côrte-Real.

O TC julgou esta quarta-feira inconstitucional a proposta do parlamento para a realização de um referendo sobre a coadoção e adoção de crianças por casais homossexuais.

Em comunicado, o Tribunal Constitucional (TC) anunciou que «julgou não verificadas a constitucionalidade e a legalidade do referendo proposto», na resolução aprovada pelo parlamento no dia 17 de janeiro.

A proposta (envida pelo Presidente da República ao TC a 28 de janeiro) tinha sido aprovada por maioria, apenas com os votos favoráveis do PSD, a abstenção do CDS-PP e de dois deputados do PS. As bancadas do PS, PCP, BE e PEV votaram contra.

A ILGA, que já tinha entregado no TC um parecer que sustentava a inconstitucionalidade da proposta de referendo, considera que o parlamento tem de aprovar em votação final a lei da co-adoção, para acabar de vez com «um processo de extrema violência extrema para famílias e crianças».

A proposta de referendo, em vésperas da aprovação da lei, foi «uma iniciativa vergonhosa» que pôs em causa «a própria credibilidade do parlamento» e que nem foi aprovada por uma verdadeira maioria, porque muitos dos que a votaram não concordavam com ela, disse Côrte-Real.

«Há urgência em resolver a situação destas famílias e crianças» e há a necessidade de salvaguardar os seus direitos, disse o responsável, acrescentando: «O que está a acontecer é inédito, irresponsável e violento para crianças e famílias».

Partilha as tuas impressões!

Escreve o teu comentário. Podes fazer trackback do teu site ou subscrever atualizações dos comentários subscribe to these comments via RSS.

Partilha todas as boas ideias. E enterra as outras :)

Podes usar as seguintes tags:
<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

Este blog aceita Gravatar. Arranja um aqui!.