Famílias Arco-íris?

quem são as famílias arco-íris? Testemunhos e realidades.

o saber não ocupa lugar

estudos sobre parentalidades, nova investigação científica, posições oficiais de ordens profissionais, etc

Recursos

Dicas, ideias e conselhos para mães & pais, para aspirantes a mães & pais, e para outr@s educador@s

notícias

Novidades sobre a vida de famílias arco-íris, em Portugal e no mundo.

agenda

Atividades e encontros, dentro e fora de Portugal

Home » o saber não ocupa lugar, posições oficiais

Pediatras americanos apoiam casamento homossexual

Submitted by on Friday, 22 March 2013No Comment

journal-logo-innerPela primeira vez, a Associação Americana de Pediatria (AAP) pronunciou-se sobre o casamento homossexual, considerando que os direitos de uma criança ao ter dois pais ou duas mães legalmente unidos ficam reforçados.

Numa declaração tornada pública nesta quinta-feira, a associação, que representa mais de 60 mil pediatras nos Estados Unidos, conclui que é do interesse da criança que os seus progenitores, sejam gays ou lésbicas, se casem, se essa for a sua intenção, garantindo ao menor o acesso aos benefícios sociais e legais resultantes da união civil.

A posição da AAP surge numa altura em que se aguarda uma decisão do Supremo Tribunal norte-americano sobre a contestação à Lei de Defesa do Casamento, aprovada há 17 anos. Até ao final de Março, o Supremo irá decidir se o casamento homossexual deixará de ser proibido a nível federal.

Em 2010, a Associação Americana de Pediatria tinha já afirmado o seu apoio a iniciativas que “permitam a casais de pessoas do mesmo sexo adoptar e co-educar crianças”. Agora, a AAP, através da sua publicação Pediatrics, defende que a igualdade no acesso ao casamento “pode ajudar a reduzir o estigma social que os pais gays e mães lésbicas e a suas crianças enfrentam” e nesse sentido “melhorar a estabilidade social, aceitação e apoio” a estas famílias.

A associação considera que as crianças criadas por pais casados “beneficiam dos estatutos sociais e legais que o casamento civil atribui aos pais” e acima de tudo da “segurança de ter carinho e cuidados permanentes”. Por outro lado, caso a união civil não seja uma “opção viável” para os progenitores, a AAP defende que as crianças “não devem ser privadas da oportunidade do acolhimento temporário ou adopção por pais solteiros ou casais, independentemente da sua orientação sexual”. A AAP sublinha que neste caso o apoio das instituições públicas e da comunidade é “vital” para garantir o bem-estar da criança.

A posição agora assumida pela Associação Americana de Pediatria sustenta que estudos realizados no país determinaram que o bem-estar das crianças é mais afectado pela forma como a família se relaciona e pelos seus recursos económicos e sociais do que pela orientação sexual dos seus pais.

“Há um consenso emergente, baseado na constante revisão de literatura científica, que as crianças que crescem em famílias lideradas por gays ou lésbicas não têm qualquer desvantagem significativa em relação a crianças com pais heterossexuais”, seja em termos emocionais, cognitivos ou de relação com os seus pares, conclui a academia.

in Público, 21 março 2013

Leia aqui a posição oficial emitida em 2002, através do Comité de Aspectos Psicológicos da Saúde da Criança e da Família (em português)

Partilha as tuas impressões!

Escreve o teu comentário. Podes fazer trackback do teu site ou subscrever atualizações dos comentários subscribe to these comments via RSS.

Partilha todas as boas ideias. E enterra as outras :)

Podes usar as seguintes tags:
<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

Este blog aceita Gravatar. Arranja um aqui!.