Famílias Arco-íris?

quem são as famílias arco-íris? Testemunhos e realidades.

o saber não ocupa lugar

estudos sobre parentalidades, nova investigação científica, posições oficiais de ordens profissionais, etc

Recursos

Dicas, ideias e conselhos para mães & pais, para aspirantes a mães & pais, e para outr@s educador@s

notícias

Novidades sobre a vida de famílias arco-íris, em Portugal e no mundo.

agenda

Atividades e encontros, dentro e fora de Portugal

Home » notícias

Dia dos Pais: Será a educação “homoparental” ainda vista como um problema?

Submitted by on Friday, 20 March 2015No Comment

rtpdiapai

Será errado dois homens educarem uma criança? Uma questão controversa na sociedade atual que é vista por alguns como um atraso civilizacional. No dia do pai, o Online da RTP foi saber como é vista esta questão e que implicações têm na educação de uma criança.
Nas últimas décadas o tema da homoparentalidade familiar tem dado origem a numerosos estudos internacionais.

As investigações debruçam-se sobre questões como práticas parentais de pessoas homossexuais, desenvolvimento psicológico de crianças educadas em contexto homoparental e atitudes perante a homoparentalidade.

No dia do pai, o Online da RTP procurou encontrar opiniões junto da comunidade que em Portugal lida directamente com este assunto e auscultar como é vista esta questão de difícil resolução.

Será que as crianças que são educadas apenas por uma figura masculina/feminina vão crescer psicologicamente saudáveis?

A questão, do ponto de vista de Isabel Advirta, da ILGA–Portugal, tem resposta fácil.

“Sempre houve homens ou mulheres a educar crianças” e não é por essa razão que as crianças vão crescer disfuncionais na sociedade.

“Não há nenhuma criança que viva só num universo masculino”, afirma Isabel Advirta, referindo que não é por haver uma formação com base na masculinidade que a criança vai adotar práticas exclusivamente masculinas.

A presidente da ILGA–Portugal, refere que muitos de nós durante a adolescência adotamos indirectamente figuras ou ídolos da sociedade que nos vão moldar e essa razão por vezes nada tem a ver com a educação e a forma como fomos educados.

Quem também defende a ideia de que, se uma criança é educada de forma responsável e equilibrada, independentemente de ser feita por uma figura ou mais figuras do mesmo sexo, é o psicólogo do Instituto de Apoio à Criança, Manuel Coutinho.

Para o psicólogo, o superior interesse da criança prevalece sobre quem é o educador ou qual o sexo, referindo que é pior uma criança ser sujeita a uma educação formativa debaixo de um centro de acolhimento do que ter uma família, na grande maioria com amor e carinho em exclusividade, que vão produzir um ser mais harmonioso dentro de uma sociedade cada vez mais diferenciadora e plural.

Porque criar uma sociedade mais justa e tolerante, com implicações para a segurança de qualquer criança, é um desafio social e educativo.

in RTP online, 19 março 2015

 

Partilha as tuas impressões!

Escreve o teu comentário. Podes fazer trackback do teu site ou subscrever atualizações dos comentários subscribe to these comments via RSS.

Partilha todas as boas ideias. E enterra as outras :)

Podes usar as seguintes tags:
<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

Este blog aceita Gravatar. Arranja um aqui!.